Climatempo

Climatempo Meteorologia

Obter
publicidade

Muita chuva em GO e no Sudeste até domingo

12/01/2016 às 23:16
por Josélia Pegorim

Atualizado 12/01/2016 às 23:20

Esta semana a chuva é do Sudeste. Uma combinação de fatores, como a circulação dos ventos em diversos níveis atmosféricos, a pressão e a chegada de mais um frente fria ao litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro vai fazer com que grandes áreas de instabilidade permaneçam sobre Sudeste provocando muita chuva. Há condições para algumas trovoadas e raios, mas a maior parte da chuva deve ser do tipo prolongada, por muitas horas consecutivas, variando de intensidade ao longo do dia.

 

 

Mas além do Sudeste, a instabilidade aumenta e persiste nos próximos dias sobre Goiás e o Distrito Federal, que também devem acumular grande quantidade de chuva, acima de 100 mm até o começo da próxima semana.

O mapa mostra a estimativa do volume de chuva para os próximos cinco dias.

 

 

A meteorologista Josélia Pegorim explica como as áreas de instabilidade vão ficar sobre o Sudeste e sobre Goiás.

 

 

Rios transbordam em SP

São Paulo foi o estado que teve mais chuva na terça-feira, 12 de janeiro de 2016. As cidades de Ibitinga e São Carlos acumularam mais de 100 mm entre 20 horas do dia 11 e 20 horas de 12 de janeiro de 2012.

A chuva volumosa desta semana cai sobre solos e rios que já estão com bastante água, pois choveu acima da média em praticamente todas as regiões paulistas nos últimos três meses.

 

Verão 2016 tem forte influência do El Niño

 

Somente esta semana, muitas regiões de São Paulo devem acumular pelos menos a metade da média de chuva para o mês de janeiro, que em geral varia entre 200 e 300 mm.

Volumes de chuva medidos pelo Inmet entre 20h 11/1/16 - 20h 12/1/16

 

Ibitinga (SP)  115,6 mm

São Carlos (SP) 113,6 mm

Viçosa (MG)  102,6 mm

S.Miguel Arcanjo (SP) 90,8 mm

Pradópolis (SP)  85,2 mm

 

Verão de enchente

 

 

 

 

O vídeo feito por Fernando Silva e compartilhado com a Climatempo mostra bananais alagados no vale do Ribeira por causa do extravasamento do rio Ribeira de Iguape, que está tendo a segunda cheia desde o dia 3 de janeiro.