2020: Um ano de extremos no clima de São Paulo

06/10/2020 às 12:45
por César Soares

Oferecimento
Dos temporais às ondas de calor históricas. Veja!

Quando o assunto é previsão de Clima e tempo, os extremos climáticos sempre são destaque. Isso aconteceu desde o mês de janeiro na capital paulista, por isso vamos relembrar alguns fatos meteorológicos que fazem de 2020 um ano especial na história do clima da cidade de São Paulo.


Fevereiro: temporais históricos

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a cidade de São Paulo teve, em 2020, o maior acumulado de chuva para um mês de fevereiro desde o início das medições em 1943.

 

graf_chuva_fev

 

Foram registrados 494mm, quase o dobro da média que é de 246mm.


Deste volume, 114mm foram acumulados apenas no dia 10. O que provocou alagamentos generalizados e até o transbordamentos dos rios Tietê e Pinheiros.

 

 

Março: As águas que não fecharam o verão

“São as águas de março fechando o verão, é a promessa de vida no teu coração”


Os belos versos de Tom Jobim já indicam que o mês de março tem chuva, o problema é que neste ano ela não veio para a capital paulista.

 

graf_chuva_mar


Com um acumulado de apenas 70,6mm, 67% abaixo da média que é de 214,5mm, março de 2020 entrou para a história da climatologia paulistana como o quinto mês mais seco da história.

 


Junho: chuva de mais e frio de menos

São Paulo teve praticamente o triplo do normal de chuva para o mês de junho. Foram 152,4mm e a média climatológica é de 50,3mm. E mais um valor notável para junho de 2020, entre os dias 26 e 27 o Inmet registrou 89,6mm, a maior quantidade de chuva em 24h para um dia de junho desde 1943.


E para deixar esse junho ainda mais excepcional, o mês quebrou o recorde histórico de maior temperatura mínima, com 15,7°C, lembrando que a média normal é de 13°C.

 

 

Julho: ventania, um ciclone bomba e inverno quente

 

No dia 01 de julho, um ciclone bomba se formou no Sul do país, mas a ventania se espalhou também para o estado de São Paulo e a capital chegou a registrar ventos em torno dos 80 km/h, que provocou queda de árvores.


Julho também marca um mês do chamado alto inverno, o ápice da estação mais fria do ano, que em 2020 foi mais quente que o normal. Segundo as médias do Inmet, as temperaturas mínimas e máximas ficaram 2° acima do normal.

 

 

Setembro: recorde de calor

O grande destaque do mês de setembro foi o calor. Ainda segundo o Inmet, a cidade de São Paulo teve a maior média de temperatura da história com 29°C, 5°C acima do normal para o mês.

 

 graf_temp_set


Outubro: encostando no recorde absoluto de calor

O calor extremo também foi destaque no início do mês de outubro. Isso porque a cidade de São Paulo encostou no recorde absoluto de calor no dia 02, com 37,4°C que agora é a segunda maior temperatura registrada na capital paulista. A maior temperatura registrada pela estação do Inmet no Mirante de Santana foi de 37,8°C no dia 17 de outubro do ano de 2014.

 

Intensa onda de calor no Brasil


O que está acontecendo?

 

A chuvarada do começo do ano é bastante comum. Com o avanço de frentes frias e formação de sistemas de baixa pressão atmosférica na costa paulista, há a formação de muitas nuvens carregadas, o que acarreta em tais volumes acumulados.


Por outro lado, as temperaturas muito altas já não são tão comuns. Neste ano, os valores extremos de calor ocorreram por conta da persistência de bloqueios atmosféricos, são sistemas de alta pressão muito intensos que atuam como uma barreira e impedem o avanço de frentes frias. Se não tem frente, não tem massa de ar polar, por isso as temperaturas não caiam.


O ano ainda não acabou, estamos em outubro, e pelo que estamos observando ainda teremos muito assunto para comentar até o dia 31 de dezembro.

 

Fique de olho nas notícias atualizadas!

CIDADES RELACIONADAS

São Paulo - SP

16°
min

26°
max

0mm / 0%