Onda de calor de 2020: reescrevendo a climatologia do BR

09/10/2020 às 21:43
por Redação

Atualizado 09/10/2020 às 22:16

Oferecimento
Neste episódio do podcast O Clima entre Nós você vai saber porque as frentes frias ficaram bloqueadas por tanto tempo e os recordes de calor impressionantes.

 A forte e grande onda de calor que se instalou sobre o Brasil no começo da primavera de 2020 começou a enfraquecer com a chegada de uma frente fria ao Sudeste do Brasil. 

 

A onda de calor do começo da primavera de 2020 foi muito especial e bateu recordes de temperatura de mais de 100 anos no Brasil. O que impressionou não foi apenas o valor pontual das temperaturas desta onda de calor, mas a sua abrangência e persistência.

 

A onda de calor do fim de setembro e começo de agosto de 2020 estabeleceu um novo patamar para as temperaturas extremas no  Brasil.

 

Pelas medições oficiais do Instituto Nacional de Meteorologia, os estados do Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais, e as capitais Curitiba, Campo Grande, Cuiabá e Goiânia estabeleceram novos recordes históricos de calor.

 

No caso de Cuiabá e de Curitiba foram recordes de 110 anos, pois as estações funcionam desde 1910.

 

Recorde histórico de calor em Cuiabá: 44,0°C (110 anos) - 30/9/2020

Recorde histórico de calor em Curitiba: 35,5°C (110 anos) - 2/10/2020

Recorde histórico de calor em Goiânia: 41,2°C (83 anos) - 7/10/2020

Recorde histórico de calor em Campo Grande : 41,0°C - 5/10/2020

Recorde histórico de calor em Brasília 36,4°C (igualou recorde de 2015)

Recorde de maior temperatura da onda de calor da primavera de 2020, e segunda maior temperatura registrada no Brasil pelo INMET: 44,6°C em Água Clara (MS) e em Nova Maringá (MT) - 5/10/2020

Recorde histórico de calor no estado de São Paulo 43,5°C em Lins - 7/10/2020

Recorde histórico de calor em Minas Gerais: 44,0°C em Araçuaí - 8/10/2020

Recorde histórico de calor em Mato Grosso do Sul: 44,6°C em Água Clara - 5/10/2020

Recorde histórico de calor em Mato Grosso: 44,6°C em Nova Maringá - 5/10/2020

Recorde histórico de calor no Paraná: 42,9°C em Morretes - 2/10/2020

Recorde histórico de calor em Goiás: 44,3°C em Aragarças - 9/10/2020

 

 

Esta onda de calor foi relacionada com o bloqueio das frentes frias. Como os sistemas frontais não conseguiam avançar pelo interior do país, o ar frio de origem polar não entrava no interior do Brasil para se misturar com o ar quente e regular a temperatura. Além disso, no começo da primavera, o ar ainda está muito seco por quase todo o Brasil, o que é normal. Assim, mesmo com o calor extremo, poucas se desenvolveram e a chuva não acontecia. A chuva e nebulosidade são importantes reguladores da temperatura diária do ar

 

Ondas de calor podem ocorrer tecnicamente em qualquer época do ano. A permanência de uma massa de ar quente por vários dias consecutivos está associada a presença de grandes e fortes sistemas de alta pressão atmosférica, que causam bloqueios, ou a persistência de uma determinada circulação de  ventos que impede ou dificulta muito o deslocamento e mistura normal entre as massas de ar.

 .

Neste ano de 2020, a falta de frentes frias começou a ser notada já em agosto. Neste mês apenas uma frente fria entrou pelo interior do Brasil e deu até neve no Sul em meados de agosto.

 

Neste episódio do podcast O Clima entre Nós você vai encontrar um balanço inicial desta fantástica onda de calor e entender porque este bloqueio de frentes frias foi tão prolongado?

 

Você também encontra este outros episódios do podcast o Clima entre Nós nas principais plataformas de áudio.

 

Boa escuta!

 

 

 

 

 

CIDADES RELACIONADAS

Cuiabá - MT

23°
min

34°
max

8mm / 80%

São Paulo - SP

16°
min

26°
max

0mm / 0%