Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

OMM reconhece recordes de mega relâmpagos na Argentina e nos EUA

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

Foto: iStock

4 min de leitura

Foto: iStock

 

Dois mega relâmpagos ocorridos nas Américas batem recorde mundial. A Organização Meteorológica Mundial classificou fenômeno ocorrido no sul dos Estados Unidos como o maior em tamanho por ter percorrido 768 km. Outro raio que ocorreu entre Uruguai e Argentina bateu o recorde de duração, com 17 segundos.

 

Maior raio do mundo


Um relâmpago ocorrido no sul dos Estados Unidos em 29 de abril de 2020 bateu o recorde mundial de maior raio do mundo, por ter percorrido 768 km, praticamente a mesma distância entre as cidades americanas de Nova Iorque e Columbus Ohio ou entre Londres, na Inglaterra e Hamburgo, na Alemanha. 

 

A classificação recorde foi feita pela Organização Meteorológica Mundial (OMM) e divulgada em 1 de fevereiro de 2022. O mega raio atingiu 60 km a mais do que o recorde anterior, que havia sido registrado no sul do Brasil em 2018, com 709 km. 

 

 

Argentina teve raio mais rápido do mundo

 

Outro recorde anunciado pela OMM foi para a maior duração ocorrida em um único raio, que aconteceu por 17 segundos durante uma tempestade sobre Uruguai e norte da Argentina em 18 de junho de 2020.  

 

As novas classificações foram registradas no Boletim da Sociedade Meteorológica Americana. A OMM explica que os recordes usam a metodologia de distância máxima circular para medir a extensão do raio, ou a distância mais curta mensurável entre dois pontos de uma esfera. 

 

O relator para Extremos do Clima e Temperatura da OMM, professor Randall Cerveny, declarou que “esses foram recordes extraordinários para relâmpagos, sendo que extremos ambientais são as provas vivas do poder da natureza”.  

 

 

Segurança  


O especialista acredita ser possível existirem extremos ainda maiores, que poderão ser observados com o avanço das tecnologias de detecção de raios. Já o chefe da OMM, Petteri Taalas, afirmou que

 

os novos recordes destacam “importantes preocupações de segurança para nuvens carregadas eletricamente, quando os raios podem viajar por distâncias extremamente longas”. 

 

A agência da ONU explica que os novos recordes aconteceram durante tempestades conhecidas como Complexos Convectivos de Mesoescalas, cujas dinâmicas permitem que relâmpagos extraordinários aconteçam – nestes casos, nas Grandes Planícies da América do Norte e na Bacia do Prata, na América do Sul. 

 

O especialista em relâmpagos Ron Holle nota que os dois eventos que bateram o recorde “não foram isolados, mas aconteceram durante tempestades”.

 

Ele lembra que sempre que se ouve um trovão, é necessário ir para um lugar seguro, como prédios com fiação e tubulação, por exemplo, e não estruturas como praias ou um ponto de ônibus”. 

 

Balanço de raios no Brasil em janeiro de 2022

 

Outro local seguro para se abrigar durante tempestades são dentro de veículos completamente fechados. Holle destaca que os casos extremos mostram que os raios podem viajar uma longa distância em questão de segundos, por isso é importante ter cautela. 

 

A OMM registra recordes relacionados a vários tipos de fenômenos climáticos, incluindo relâmpagos, temperatura, ventos, tempestades, tornados e ciclones. Outros dois raios extremos classificados pela agência aconteceram no Zimbábue, em 1975, quando 21 pessoas morreram com o poder de um único raio, e em Dronka, Egito, em 1994, quando um enorme relâmpago atingiu um conjunto de barris de petróleo que explodiram, causando um incêndio que se espalhou pela cidade, matando 469 pessoas.  

 

Fonte: ONU News

+ mais notícias