Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Plantando secas: o lago gigante na África que a agricultura sugou

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

5 min de leitura

 


O lago Chade, um corpo d’água gigante compartilhado por 4 países africanos - Nigéria, Niger, Chade e Camarões - secou finalmente, após anos de alertas científicos e projetos de cooperação internacional fracassados. A agricultura não sustentável é a principal causa, e seu impacto foi agravado por barragens inadequadas e pela intensificação das mudanças climáticas, que reduziram os volumes de chuvas drasticamente. 


A bacia do lago Chade sempre foi um elemento fundamental para o abastecimento não apenas dos quatro países que margeiam o lago, mas também para Argélia, República Central Africana, Líbia e Sudão. Em uma região de Clima quente e seco, sua importância econômica é óbvia. 

 

 

Lago Chade em 31/10/2018 - Copernicus Sentinel-2A/ESA

 

Desde os tempos pré-históricos o volume do lago apresenta grande variabilidade, uma indicação clara de que o lago é um sistema hídrico frágil que sempre dependeu de uma gestão rigorosa dos recursos hídricos. Sem ela, grandes latifúndios tiveram historicamente acesso privilegiado à água para irrigação de grandes monoculturas, em detrimento das comunidades de pescadores artesanais e pequenos agricultores.  

 

Na década de 1960, a área do lago variava entre em torno de 24 mil km². No começo deste século, era de 4 mil km². Em 2008 suas dimensões eram de cerca de 2,5 mil km². Agora a superfície do lago mede 1350 km², mas sem água.

 

Restou a spirulina, uma microalga que pode ser usada como alimento. Apesar de nutritiva, a alga verde azulada não pode evitar a crise de fome que afeta uma lista crescente na casa  

dos milhões de pessoas. 

 

Imagens de satélite mostram a situação do lago Chade em 1984 e em 2018

 

Imagens geradas pelos satélites Landsat 5/EUA (1984) e Copernicus Sentinel-2A/ESA (2018) mostram dois momentos do lago Chade: em 6/11/1984, com mais água (imagem mais amarelada) e com menos água e mais algas (grande mancha verde à esquerda) em 31/10/2018 

 

Escassez de água é um dos grandes problemas globais

 

Menos água, mais fome


A fome não traz coisas boas. Na bacia do Lago Chade ela levou ao surgimento de movimentos extremistas conservadores que usam o terrorismo como forma de impor suas ideias. O mais destacado grupo violento na região é o extremista islâmico Boko Haram, especialmente perigoso para mulheres e crianças.

 

Quanto menos água, mais pobreza, e mais a população depende de milícias armadas. E a própria existência de conflitos impede que medidas de mitigação sejam adotadas no território. 

 

“A mudança climática não é a fonte de todos os males, mas tem um efeito multiplicador e é um fator de agravamento da instabilidade, conflito e terrorismo”, afirmou o secretário-geral da ONU, António Guterres, sobre a situação crítica na região do lago. 

 


Mitigação e adaptação


É muito mais difícil consertar problemas ambientais do que evitá-los. E no caso da falta de água, a adaptação não é uma opção. Mas algumas formas de mitigação da secura do lago Chade são estudadas hoje, como a transposição das águas da bacia do rio Congo ou a extração e transposição das águas do aquífero Nubian Sandstone. Mas muitos cientistas alertam que essas medidas podem não ser efetivas. E pior: elas podem agravar outros conflitos pelo uso da água na região do Sahel. Este artigo em inglês apresenta alguns argumentos. 

 

A tragédia do Lago Chade é um alerta: a agricultura depende da água, por isso deve produzi-la e não sugá-la até a última gota. 

 

Cantareira supera 40% de armazenamento depois de 182 dias


Para saber mais:


Você sabia que é possível produzir água? Neste artigo, pesquisadores da Embrapa explicam como os sistemas agrícolas podem ser também sistemas produtores de água por meio do cuidado com o solo e a manutenção estratégica da vegetação.  


Aqui você pode ver uma série de imagens produzidas pela Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço dos EUA (NASA) sobre o desaparecimento do Lago Chade.

 

 

+ mais notícias