Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Conflito Rússia e Ucrânia. Quais os impactos para o Agro no BR

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

8 min de leitura

De acordo com dados do IGC – International Grains Council, a Ucrânia é o 8º maior produtor de grãos do mundo, com uma produção estimada em 84,8 milhões de toneladas de grãos em 2022. 

 

Suas exportações de grãos somam cerca de 63,5 milhões de toneladas, o que representa cerca de 74,8% de sua produção, a mais alta participação das exportações em relação à produção dentre os principais países produtores. Segundo dados da USDA – United States Department of Agriculture a Ucrânia é o sexto maior exportador de grãos do planeta.

 

A Rússia é o 6º maior produtor de grãos do mundo, estimando-se sua produção em aproximadamente 113,7 milhões de toneladas, todavia, suas exportações de grãos equivalem à cerca de 33,7% de sua produção somente.

 

Haverá efetivamente um impacto global no preço dos alimentos em decorrência da invasão russa à Ucrânia; entretanto, há outros aspectos que devem ser considerados neste momento.

 

Exportações brasileiras

 

As exportações brasileiras para a Ucrânia em 2021, de US$ 226,8 milhões, representaram apenas 0,08% das exportações totais do país neste ano. Ressalta-se que as exportações do Brasil para a Ucrânia aumentaram em 104,3% entre 2019 e 2021.

As importações do Brasil oriundas da Ucrânia em 2021 somaram cerca US$ 211,4 milhões, correspondendo à 0,10% das importações brasileiras neste ano, com um incremento de 98,2% em relação à 2019. 

 

A Rússia ocupa a 36ª posição no ranking das exportações brasileiras, em 2021 foi exportado aproximadamente US$ 1,58 bilhão em mercadorias para este país, equivalendo à 0,57% das exportações totais do Brasil neste ano. Observa-se que houve uma redução de 1,9% nas exportações brasileiras para a Rússia em 2021 em relação à 2019. Exporta-se para a Rússia principalmente soja, café, açúcar e carnes.

 

campo_6

Foto: Istock 

 

Importações brasileiras

 

As importações brasileiras da Rússia, todavia, são mais relevantes e estratégicas para o Brasil. A Rússia posiciona-se na 6ª posição no ranking das importações nacionais em 2021, somando US$ 5,7 bilhões, um incremento de cerca de 53,4% em comparação à 2019 e correspondendo à aproximadamente 2,6% das importações totais do Brasil em 2021.

 

Ainda que seja um grande player global em energia (gás e petróleo); para o Brasil, a Rússia é um parceiro estratégico, especialmente por ser hoje o principal fornecedor de adubos e fertilizantes para o país, insumos essenciais para o principal vetor da economia brasileira, que é o Agronegócio.

 

Observa-se, no quadro abaixo, elaborado com dados do Comexstat, que a Rússia, neste ano, é responsável por fornecer cerca de 30,14% dos adubos e fertilizantes importados pelo Brasil.

 

russia

 

Cloreto de Potássio

 

Em 2021 o Brasil importou US$ 4,09 bilhões deste produto, a Rússia, atrás somente do Canadá, foi o segundo principal fornecedor, representando cerca de 33,2% do total. Houve um aumento de aproximadamente 38,5% nas exportações de cloreto de potássio da Rússia para o Brasil entre 2019 e 2021, enfatiza-se que as importações de cloreto de potássio aumentaram em somente 22% no mesmo período, o que demonstra o avanço da participação da Rússia no comércio deste produto para o Brasil. Observa-se ainda, que Belarus, limítrofe da região do conflito foi o terceiro maior fornecedor de cloreto de potássio para o Brasil em 2021 e que, junto com a Rússia foi responsável por 45,6% do suprimento deste insumo ao país.

 

Fosfato Monoamônico

 

Tendo como principal fornecedor o Marrocos, a Rússia foi o segundo maior fornecedor de fosfato monoamônico para o Brasil em 2021 somando US$ 862,3 milhões, valor que corresponde à aproximadamente 29,9% do total importado deste produto pelo país e 203,4% maior que em 2019; observa-se que as importações totais  de fosfato monoamônico pelo Brasil aumentaram 102,9% entre 2019 e 2021, demonstrando mais uma vez o crescimento da participação da Rússia neste fornecimento.

 

Ureia

 

Segundo maior fornecedor de ureia para o Brasil, atrás do Catar, a Rússia foi responsável por 16,7% do suprimento deste produto ao país em 2021, com US$ 508,1 milhões, valor cerca de 72,9% superior ao de 2019. Contudo, sua participação era maior em 2019, cerca de 19,2%.

 

Nitrato de Amônio

 

A Rússia é o maior fornecedor de Nitrato de Amônio para o Brasil, somando US$ 377,9 milhões em 2021, valor 57,6% superior ao de 2019. Sua participação também aumentou, de 96,6% em 2019 para 98,5% em 2021.

 

Considerando que, segundo o CEPEA – Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, o Agronegócio representa cerca de 28% do PIB brasileiro em 2021, e que este segmento possui alta dependência de seus insumos básicos, especialmente os adubos e fertilizantes a crise estabelecida com a invasão da Ucrânia pela Rússia tende a gerar desabastecimento destes produtos no mercado, ocasionando sua alta de preços internacionais, onerando a produção das commodities agrícolas no Brasil e no mundo.

 

Cenário para o Mato Grosso 

 

A Rússia é o 20º país no ranking das exportações do estado de Mato Grosso em 2021, com US$ 254,35 milhões que representam somente 1,2% das exportações estaduais neste ano. A soja em grão corresponde à 86,5% das exportações estaduais para a Rússia e a carne bovina cerca de 11,4%. Somadas, as exportações de soja e carne bovina representam cerca de 98% das exportações de Mato Grosso para a Rússia.


Entretanto, a Rússia foi a segunda no ranking das importações do estado de Mato Grosso em 2021, com vendas para o estado que somaram US$ 582,2 milhões e representaram cerca de 18,7% das importações totais do estado neste ano. A Rússia é tão relevante que, em 2019 e em 2020, foi o país líder das importações do Estado de Mato Grosso. 


Registra-se que, em 2021, os adubos e fertilizantes compuseram cerca de 85,4% das importações do estado de Mato Grosso. Cabe destacar também que Belarus (na zona do conflito) é o sexto país no ranking das importações do estado de Mato Grosso em 2021 e que, junto com a Rússia, representou cerca de 23,5% das importações estaduais neste ano.


Cerca de 99,8% das exportações da Rússia para o estado de Mato Grosso em 2021 foram adubos e fertilizantes, em especial o cloreto de potássio, que correspondeu à 56% do total. Ainda, o cloreto de potássio é o principal produto das importações do estado de Mato Groso em 2021, sendo que a Rússia é seu maior fornecedor, correspondendo à cerca de 35,7% de seu total importado.
 
A Rússia é também responsável por 39,1% do fosfato monoamônico e de 18,7% da ureia importados por Mato Grosso em 2021. Observa-se que em 2010 Belarus era o principal país das importações do Estado de Mato Grosso e a Rússia era o segundo no ranking. Belarus manteve a liderança em 2011 e 2012.

 

Fica claro, o quanto este conflito pode atingir diretamente a produção e a economia do Brasil e, em especial, o estado de Mato Grosso.

 

Este artigo é de Sérgio Leal - Analista de Agronegócios especial para o Agroclima. 

+ mais notícias