Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Frio à vista nas áreas agrícolas próximas a campanha gaúcha

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

3 min de leitura

A temperatura declina para perto dos 10°C na Campanha Gaúcha e a máxima não passará dos 18°C na região central do Rio Grande do Sul no próximo sábado (12/03). Arroz plantado de forma tardia pode sentir a queda de temperatura.

 

No início da semana que vem (13/03), a queda da temperatura máxima também será sentida no Sudeste, Centro-Oeste e até mesmo no Acre e em Rondônia (não será friagem, será uma intensificação das instabilidades tropicais com o avanço da frente fria pelo Sul).

 

Nos próximos sete dias, a chuva não dará trégua ao Norte, Mato Grosso, Maranhão e norte do Piauí. Estimam-se mais de 150mm em Tocantins, Pará e Maranhão. Além da dificuldade com a colheita de soja, o embarque da soja nos portos acontece em ritmo mais lento, além da dificuldade no transporte do produto das fazendas aos portos.

 

Foto: Istock

 

Rompimento do bloqueio atmosférico

 

Na semana que vem, o bloqueio atmosférico rompe e, além da diminuição do calor em várias áreas do Brasil, há previsão de chuva forte nos portos de Paranaguá e Santos, dificultando o embarque de grãos. Por outro lado, a chuva intensifica e aumenta a umidade do solo em São Paulo, Mato Grosso do Sul, no sul e oeste de Minas Gerais e em Goiás. O tempo permanecerá chuvoso em Mato Grosso, boa parte da Região Norte e nos Estados do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte e oeste da Paraíba e de Pernambuco.

 

Planejamento: Virada de março para abril  

 

Previsões mais estendidas indicam chuva acima do normal no Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul no terceiro decêndio de março. Já o centro, oeste e sul do Rio Grande do Sul entram em um período seco mais prolongado. a virada de março para abril, a chuva forte alcança Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia, padrão típico da época do ano e da influência do fenômeno La Niña.

 

Teoricamente, em abril, há menos chances de bloqueios atmosféricos e o centro e
sul do Brasil passará por um período seco mais prolongado, exigindo monitoramento
constante para o milho do Paraná e de Mato Grosso do Sul.

+ mais notícias