Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Vacinação infantil abaixo da meta aumenta o risco de epidemias

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

4 min de leitura

 

Enquanto muito se discute a respeito da vacinação de crianças e adolescentes  contra a COVID-19, o número da procura por outras vacinas recomendadas para  o público infantil tem apresentado queda significativa nos últimos meses.¹

 

Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde do Brasil, em outubro de  2020, somente 63,8% dos brasileiros se vacinaram com a vacina BCG, que  protege contra formas graves da tuberculose, e 68,4% contra o rotavírus humano,  uma das principais causas de diarreia grave em crianças e lactentes.¹

  GettyImages-1069933778

Foto: Getty Images

 

Ainda segundo as informações divulgadas pelo Ministério da Saúde, a maior  cobertura vacinal de 2020, até o momento da divulgação dos dados, foi obtida  para a vacina pneumocócica, de 71,98%, o que representa queda de 16,6 pontos  percentuais em relação a 2019.¹  

 

Os dados divulgados representam motivo de preocupação para o Ministério da  Saúde. A pasta ressaltou que, entre as 15 vacinas do calendário infantil, metade  não bate as metas desde o ano de 2015.¹  
 

Vacinação em queda durante a pandemia  
 

A fim de manter o calendário de vacinação infantil em dia durante a pandemia, o  Ministério da Saúde lançou no dia 30 de setembro de 2021, a Campanha nacional de multi-vacinação, com o objetivo de atualizar a caderneta de vacinação de crianças e adolescentes menores de 15 anos (14 anos, 11 meses  e 29 dias).²

 

Mesmo com todas as medidas contra a COVID-19 sendo adotadas pelos postos  de vacinação, algumas campanhas precisaram ser prorrogadas, devido à baixa  adesão da população.²

 

Ao longo de 2 meses, foram aplicadas doses das vacinas contra BCG, hepatites  A e B, febre amarela, poliomielite (VIP ou VOP), rotavírus, varicela e HPV, e as  vacinas pentavalente (DTP/Hib/Hep B), pneumocócica 10 valente,  meningocócica C (conjugada), tríplice viral (sarampo, rubéola, caxumba),  tetraviral (sarampo, rubéola, caxumba, varicela) e tríplice bacteriana (DTP).²

 

Em adolescentes, a campanha permitiu a atualização da caderneta com doses  das vacinas contra HPV, hepatite B e febre amarela, e das vacinas dupla adulto  (dT), tríplice viral, dTpa e meningoccica ACWY (conjugada).²  

 

Manter a caderneta de vacinação atualizada é importante para a prevenção de  doenças imunopreveníveis, o que evita a ocorrência de surtos de determinadas  doenças e, consequentemente, de hospitalizações, sequelas, tratamentos de  reabilitação e óbitos.¹

 

Referências:  

1. Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ). Vacinação infantil abaixo da meta aumenta risco de novas epidemias. 2021. Disponível em: https://dssbr.ensp.fiocruz.br/vacinacao-infantil abaixo-da-meta-aumenta-risco-de-novas-epidemias/. Acessado em 31 de  março de 2022.  

 

2. Ministério da Saúde do Brasil. Ministério da Saúde lança campanha de Multivacinação para crianças e  adolescentes. 2021. Disponível em:  

https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/noticias/2021-1/setembro/ministerio-da saude-lanca-campanha-de-multivacinacao-para-criancas-e-adolescentes/. Acessado em 31 de março de 2022.  

 

Este material informativo não substitui a conversa com um médico, pois apenas  esse profissional poderá orientá-lo(a) sobre a prevenção de doenças e o uso  adequado de medicamentos. Não tome nenhum medicamento sem ter recebido  orientação médica.

  

Copyright © 2022 Merck Sharp & Dohme Corp., uma subsidiária de Merck &  Co., Inc., Kenilworth, NJ, EUA. Todos os direitos reservados.  

 

BR-HPV-00565 PRODUZIDO EM ABRIL/2022 VÁLIDO POR 2 ANOS

 

Imagem3

 

+ mais notícias