Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Dia da Terra - 22 de abril

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

4 min de leitura

O dia 22 de abril foi determinado como sendo o Dia Internacional da Mãe Terra, ou o Dia da Terra, através de uma resolução da Assembleia Geral da ONU em 2009.


O movimento de conscientização global sobre a interdependência entre as pessoas, todas as espécies vivas e nosso planeta começou a ser trabalhado na  Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano de 1972, em Estocolmo, na Suécia. 

Nas décadas seguintes, o entendimento entre os países da necessidade de proteção e conservação do meio ambiente, de sustentabilidade só cresceu. Várias datas comemorativas e encontros globais  para discutir as questões ambientais foram feitas pelas Nações Unidas.


Nosso planeta está em crise, doente. Temos muito que explorar o Universo, mas por enquanto, não temos nenhum plano B para o planeta Terra.


#oceanolimpo     #sololimpo      #arlimpo

 

Dia da Terra (Imagem: Climatempo)

 


Confira a seguir, a mensagem do senhor António Guterres, atual secretário geral da ONU - Organização das Nações Unidas.


“Hoje é o Dia Internacional da Mãe Terra.


É uma chance de refletir sobre como a humanidade vem tratando nosso planeta. A verdade é que temos sido maus guardiões de nosso frágil lar.


Hoje, a Terra está enfrentando uma tripla crise planetária: distúrbio climático, natureza e perda de biodiversidade, poluição e desperdício.


Essa tripla crise está ameaçando o bem-estar e a sobrevivência de milhões de pessoas em todo o mundo. Os alicerces de uma vida feliz e saudável – água limpa, ar fresco, Clima estável e previsível – estão em desordem, colocando em risco os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável..


Mas ainda há esperança.


Cinquenta anos atrás, o mundo se uniu para a Conferência de Estocolmo. Foi o início do movimento ambiental global. Desde então, vimos o que é possível quando agimos como um.


Encolhemos o buraco na camada de ozônio. Expandimos as proteções para a vida selvagem e os ecossistemas. Acabamos com o uso de combustível com chumbo, evitando milhões de mortes prematuras.


E apenas no mês passado, lançamos um esforço global histórico para prevenir e acabar com a poluição plástica.


Provamos que juntos podemos enfrentar desafios monumentais. E o direito a um ambiente saudável está ganhando força. Mas precisamos fazer muito mais. E muito mais rápido. Especialmente para evitar uma catástrofe climática.


Devemos limitar o aumento da temperatura global a 1,5°C.Estamos longe do rumo.


Para manter 1,5°C vivo, os governos devem reduzir as emissões em 45% até 2030 e alcançar a neutralidade de carbono até 2050.


Os principais emissores devem cortar drasticamente as emissões a partir deste ano.


Isso significa acelerar o fim do nosso vício em combustíveis fósseis. E acelerando a implantação de energia limpa e renovável. Ao mesmo tempo, devemos investir rapidamente em adaptação e resiliência, particularmente para os mais pobres e vulneráveis ​​que menos contribuíram para a crise.


Em junho, o mundo se reunirá mais uma vez na Suécia para o encontro Estocolmo+50.


Vamos garantir que nossos líderes tragam a ambição e a ação necessárias para enfrentar nossa tríplice emergência planetária.


Porque temos apenas uma Mãe Terra. Devemos fazer tudo o que pudermos para protegê-la.”

+ mais notícias