Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Onda de calor extremo mata pelo menos 25 na Índia

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

5 min de leitura

Temperaturas atípicas para a época do ano também vêm causando quedas de energia, incêndios em aterros sanitários e quebra da safra de trigo. No vizinho Paquistão, há risco de inundações devido ao degelo extremo.

 

 

A forte onda de calor que atinge a Índia matou pelo menos 25 pessoas por insolação desde o fim de março em Maharashtra, estado mais rico do país, cuja capital é Mumbai, informaram autoridades locais.

 

O número é o mais alto dos últimos cinco anos e considera-se provável que haja mais vítimas de insolação em outras partes do país, à medida que as temperaturas têm ultrapassado os 40 ºC, numa época em que não costuma fazer tanto calor na Índia. Muitas das mortes em Maharashtra ocorreram em áreas rurais.

 

 

Índia: Número de mortes por calor é o mais alto dos últimos cinco anos (Foto: AMIT DAVE/REUTERS - divulgação DW)

 

 

No estado oriental de Odisha, as autoridades informaram que um homem de 64 anos morreu de insolação em 25 de abril e centenas de outros residentes receberam atendimento médico. Em Subarnapur, o distrito mais quente de Odisha, a temperatura máxima foi de 43,2 ºC na terça-feira (03/05).

 

Os cientistas associaram o início precoce de um verão intenso às mudanças climáticas e dizem que mais de 1 bilhão de habitantes da Índia e do vizinho Paquistão estão, de uma forma ou outra, vulneráveis ​​ao calor extremo.

 

"Antes do aumento das temperaturas globais, teríamos experimentado o calor que fez na Índia em abril cerca de uma vez a cada 50 anos", explica Mariam Zachariah, do Imperial College, em Londres. Agora, tal evento ocorre a cada quatro anos – e enquanto a emissão de gases de efeito estufa não for sustada, ele ocorrerá com ainda mais frequência, dizem os cientistas.

 

 

Quedas de energia


Com chuvas frias de monções previstas apenas para junho e quedas de energia cada vez mais frequentes em algumas partes da Índia, mesmo as famílias mais ricas, que podem comprar aparelhos de ar-condicionado, enfrentam o calor inclemente.

 

À medida que a demanda por energia aumenta, as empresas geradoras estão enfrentando escassez extrema de carvão, do qual o país é muito dependente. O governo pede que elas intensifiquem as importações.

 

 

Quebra na safra de trigo


A Índia é o segundo maior produtor de trigo do mundo, mas o calor intenso também deve diminuir a safra deste ano, após cinco anos consecutivos de recordes.

Nos estados de Punjab, Haryana e Uttar Pradesh, já houve uma queda de 10% a 35% na produção, devido à onda de calor precoce, conforme o jornal The Economic Times.

 

 

Março mais quente em 100 anos


A Índia registrou o mês de março mais quente em mais de um século, com a temperatura máxima em todo o país subindo para 33,1 ºC, quase 1,86 ºC acima do normal, de acordo com o Departamento Meteorológico da Índia. Muitas partes do norte, oeste e leste tiveram temperaturas acima de 40°C.

 

Alguns aterros sanitários pegaram fogo devido ao calor e ao acúmulo de gases, informou o corpo de bombeiros. Na capital, Nova Délhi, o aterro sanitário de Bhalswa – que cobre uma área de mais de 50 campos de futebol e tem uma pilha de detritos mais alta que um prédio de 17 andares – ficou em chamas por dias, cobrindo a área com fumaça tóxica. Algumas escolas tiveram que fechar. Crianças e idosos, em particular, apresentaram problemas respiratórios em razão dos gases, informou a emissora de TV India Today.

 

 

Paquistão alerta para inundações


No Paquistão, país vizinho da Índia, as autoridades alertaram para inundações devido ao rápido derretimento da neve nas montanhas Hindu Kush.

 

O governo local colocou em alerta a autoridade de defesa civil. De acordo com a ministra de Mudanças Climáticas do Paquistão, Sherry Rehman, a quantidade de chuva em 2022 foi menos da metade da dos anos anteriores.

Logo Deutsche Welle Deutsche Welle

+ mais notícias