Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Brasil deverá receber investimento estrangeiro em energia limpa

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

Investimento precisa sete vezes maior até 2030 para alcançar o patamar zero de emissões até 2050

3 min de leitura

O ex-prefeito de Nova York e bilionário Michael R. Bloomberg anunciou esta semana um investimento de US$ 242 milhões em 10 economias em desenvolvimento, incluindo países da América Latina como Brasil e Colômbia.  O aporte representa a primeira fase do projeto anunciado por Bloomberg no ano passado, que busca encerrar a produção de carvão em 25 países, e se baseia em sua campanha de US$ 500 milhões para fechar todas as usinas a carvão nos Estados Unidos.

 

O anúncio foi feito na terça-feira (17) no fórum Energia Sustentável para Todos, que visa acelerar a transição para as energias renováveis ​​além de países como os EUA. Em um vídeo exibido durante outro evento, o New Economy Gateway Latin America, realizado na Cidade do Panamá na quarta-feira (18), Bloomberg afirmou que a América Latina tem um “papel crítico” no esforço de combate aos principais problemas do mundo.

 

Os países que completam a lista dos que deverão receber o investimento para programas de geração de energia limpa estão Bangladesh, Quênia, Moçambique, Nigéria, Paquistão, África do Sul, Turquia e Vietnã.

 

O investimento anual em energia limpa em economias emergentes, que foi de menos de US$ 150 bilhões no ano passado, precisa aumentar mais de sete vezes até 2030 para alcançar o patamar zero de emissões até 2050, de acordo com um relatório da Agência Internacional de Energia (AIE).

 

A capacidade global das usinas a carvão, combustível que emite dióxido de carbono quando queimado, subiu quase 1% no ano passado. De acordo com o Global Energy Monitor (GEM), a capacidade global da usina de carvão cresceu 18,2 gigawatts para cerca de 2.100 GW ou cerca de 0,87%.  

Logo Deutsche Welle Deutsche Welle

+ mais notícias