Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Presidente da COP 27 alerta sobre crises globais

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

4 min de leitura

Imagem: Getty Images

 

O ministro das Relações Exteriores do Egito, Sameh Shoukry, presidente designado da próxima conferência da ONU sobre mudanças climáticas, alertou sobre o impacto dos desafios colocados pelas crises globais de alimentos e energia nas mudanças climáticas.


Em comentários publicados pela agência de notícias Bloomberg que repercutiram na imprensa árabe na última semana, Shoukry disse que seu país impedirá tudo o que possa afetar o nível de ambição e possa levar a distrações da prioridade das mudanças climáticas. “A conferência será realizada em uma situação geopolítica difícil, com o mundo enfrentando desafios energéticos e alimentares”, disse o ministro em respostas escritas aos questionamentos.


O Egito sediará a COP 27 Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas 2022 no resort de Sharm El-Sheikh, no Mar Vermelho, em novembro. Como o primeiro país africano a sediar uma reunião da COP em seis anos, Shoukry afirmou que o Cairo também quer se concentrar em como as nações em desenvolvimento podem obter financiamento para se adaptar às mudanças climáticas e financiar a transição para a energia verde.


O premiê enfatizou que seu país quer garantir que não haja retrocessos nos compromissos anteriores de desacelerar o ritmo das mudanças climáticas – mesmo quando os líderes globais enfrentam escassez de alimentos, crise de energia e inflação alta. O foco principal da COP 27 é “aumentar a ambição” e confirmar “sem retrocessos ou retrocessos em compromissos e promessas” feitos em cúpulas anteriores, disse ele.


A queda do custo da energia renovável deve levar a grandes investimentos em formas mais limpas de energia, disse Shoukry. Mas a atual situação geopolítica sugere que a mudança para energia renovável levará mais tempo do que a comunidade global antecipou na reunião da COP em Glasgow no ano passado, explicou o ministro.


Shoukry enfatizou a importância de ouvir atentamente as preocupações africanas e garantir as prioridades africanas, como adaptação e resiliência. Acrescentou ainda que as negociações sobre finanças devem levar em consideração “as necessidades das comunidades em toda a África, que estão sofrendo mais do que qualquer outro continente com os impactos das mudanças climáticas”. Shoukry também afirmou que o trabalho da presidência da COP é alinhar e convergir os pontos de vista e superar essa divisão, observando que alcançar um avanço nas finanças continua sendo de grande importância para muitos países africanos e em desenvolvimento.


O Egito foi o primeiro no Oriente Médio e Norte da África a emitir um título verde soberano no valor de US$ 750 milhões em 2020, atraindo investidores interessados ​​em financiar transporte limpo, abastecimento de água para cidades e gestão de águas residuais. Ele apresentou em junho uma nova e atualizada meta climática à ONU como parte de sua tentativa de contribuir para desacelerar o ritmo das mudanças climáticas e visa dobrar a participação de energias renováveis ​​no mix de energia para 42% até 2035.

+ mais notícias