Raios ultravioleta podem acabar com covid-19, dizem empresas

09/09/2020 às 11:02
por Redação

Atualizado 09/09/2020 às 22:43

Oferecimento
Fabricantes de lâmpadas UV germicida contam entre vencedores da pandemia. Mas autoridades têm sérias ressalvas.

Radiação ultravioleta contra germes de todos os tipos: essa é a ideia de negócio das empresas que oferecem sistemas de desinfecção baseados na radiação UV-C, de ondas curtas, também conhecida como "UV germicida".

 

Em vez de borrifadas de produtos químicos, eles irradiam superfícies, água e ar com luz UV-C. Apesar de invisível, ela é poderosa: vírus, bactérias e outros germes são destruídos em questão de segundos quando expostos à radiação, que danifica o genoma, impedindo que os patógenos continuem a se multiplicar.

 

Esse saber sobre a UV-C não é novo: a radiação tem sido usada há décadas para desinfetar água potável e água encanada, por exemplo. Superfícies de ambulâncias e esteiras rolantes industriais também são higienizadas com lâmpadas UV-C, que também ajudam a eliminar os germes do ar.

 

Raios UVC contra o coronavírus?

 

Desde que o Sars-Cov-2 se impôs como um novo tipo de patógeno, capaz de ser transmitido por aerossóis no ar, a desinfecção com UV-C tornou-se foco de interesse especial. Além disso, o outono está chegando, e com ele a pergunta sobre a melhor forma de manter o ar nas salas de aula ou escritórios livre de vírus, mesmo durante as estações mais frias.

 

Quem consultar os fabricantes de sistemas de desinfecção UV-C, certamente ouvirá: com os produtos deles. Do ponto de vista empresarial, desde já eles já contam entre os grandes vencedores da crise desencadeada pela covid-19. Devido ao grande aumento da demanda, a empresa holandesa Signify, por exemplo, produz oito vezes mais do que antes da pandemia. No início de 2020, a empresa também lançou uma nova lâmpada UVC.

 

Até agora, lâmpadas em funcionamento em ambientes com público circulante eram vedadas por um denso invólucro. Já com a lâmpada Signify, a radiação é direcionada para cima por um refletor, formando assim um véu UVC sob o teto, através do qual o ar circula e é então desinfetado.

 

Antes da crise, os sistemas de desinfecção por raios ultravioleta do tipo C, sobretudo para purificação do ar, eram vendidos principalmente na Ásia e na América do Norte. Na Europa, há maior preocupações de usar a tecnologia com segurança, explica Christian Goebel, especialista em UV-C da Signify.

 

Desde a pandemia, porém, lentamente se observa o desenvolvimento de um mercado também na Europa Ocidental. E isso apesar de não haver nenhuma recomendação do Instituto Robert Koch ou do Ministério alemão do Meio Ambiente para o uso de sistemas UV-C.

 

Riscos de lesão

 

A Departamento Federal alemão do Meio Ambiente também tem suas ressalvas quanto ao uso de luz UV-C em ambientes com presença humana. Heinz-Jörn Moriske, diretor da Comissão de Higiene do Ar Interior IRK), ligada ao órgão, frisa que a luz ultravioleta é prejudicial à saúde: "Se esses dispositivos são abertos pelos presentes na sala, pelo motivo que seja, e a lâmpada ainda estiver acesa, isso pode resultar em queimaduras graves na pele e nos olhos."

 

Apesar de estarem cientes dos riscos de radiação UVC, os fabricantes alegam não entender o parecer das várias agências e institutos. "A tecnologia foi testada. Todos sabem que ela ajuda. Agora é apenas uma questão de usá-la com segurança", afirma Goebel.

 

Segundo o especialista da Signify, quando os sistemas de desinfecção são instalados por profissionais, está garantido o uso seguro. Além disso, quem costuma ficar em salas onde é utilizada a tecnologia UV-C deve ser informadas sobre como proceder. Assim se descartaria a possibilidade de alguém entrar em contato com a radiação acidentalmente.

 

Entretanto, Heinz-Jörn Moriske alerta para outro ponto crítico: os estudos ainda são muito incipientes. A Signify de fato demonstrou recentemente, em colaboração com a Boston University, que a radiação UV-C mata o coronavírus presente em superfícies, em questão de segundos. No entanto quase não existem dados sobre desinfecção do ar empregando esse método.

 

O tamanho da sala, a frequência com que o ar passa pelas lâmpadas, a intensidade da radiação que emitem: tudo influencia enorme o impacto destruidor sobre os germes. Uma vez que a circulação de ar nos edifícios difere de sala para sala ,e até mesmo dentro de um único ambiente, é bastante difícil traçar conclusões gerais a partir de estudos científicos realizados em laboratório.

 

Além disso, prossegue Moriske, tampouco há estudos sobre se os sistemas UV-C funcionam com maior confiabilidade do que, por exemplo, purificadores de ar com filtros mecânicos. Por isso, ele sublinha que o uso de dispositivos de purificação de ar com lâmpadas UV-C ou outros filtros é, em última análise, apenas uma medida complementar à ventilação através das janelas.

 

"Não deve resultar em que simplesmente se diga: 'Agora está frio demais, não vou abrir as janelas, tenho meu purificador de ar ligado e ele vai fazer o serviço.' Essa é exatamente a falácia que precisamos evitar."

 

Christian Goebel, da Signify, desejaria mais "pragmatismo e abertura" por parte das autoridades, tendo em vista a "dimensão do problema". Em escolas e jardins de infância, em particular, é extremamente difícil evitar aglomeração humana num espaço confinado, afirma.

 

Por isso, a seu ver, os sistemas de desinfecção UV-C seriam um investimento absolutamente sensato nesses locais: "Se você me perguntasse: 'O senhor aceitaria se na creche do seu filho tivesse uma lâmpada UV-C?' Eu diria que sim."

 

Adaptação: Isadora Pamplona

 

Leia também: Incêndios de grandes proporções atingem a Serra da Mantiqueira

CIDADES RELACIONADAS

Serra - ES

19°
min

32°
max

50mm / 83%

FASES DA LUA

  • Nova
    17/09
  • Crescente
    23/09
  • Cheia
    02/09
  • Minguante
    10/09

ESTAÇÕES DO ANO

  • Inverno
    20/06
  • Primavera
    22/09
  • Verão
    21/12