Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Aumento do nível do mar pode ser cortado pela metade

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

5 min de leitura

Um novo estudo internacional liderado pelo King's College London previu que o aumento do nível do mar com o derretimento do gelo poderia ser reduzido pela metade neste século se a meta do Acordo de Paris de limitar o aquecimento a 1,5 ° C for cumprida.

 

O estudo, liderado pelo Dr. Tamsin Edwards, revisor para assuntos de mudança climática no King's, explorou a contribuição da partes geladas da Terra em relação ao aumento do nível do mar no século 21, decorrente das geleiras, da Groenlândia e das geleiras na Antártica.

 

 

As descobertas do estudo foram publicadas em um artigo intitulado Contribuições projetadas do gelo terrestre para o aumento do nível do mar no século XXI e publicado no jornal Nature . O trabalho envolveu mais de 80 cientistas de todo o mundo.

 

 

Land-iceGlaciar Heimdal no sul da Groenlândia, em uma imagem aérea capturada em 13 de outubro de 2015, como parte da Operação IceBridge da NASA, uma pesquisa aérea de gelo polar 

 

O estudo utilizou um grande número de modelos computacionais combinados com técnicas estatísticas, fazendo previsões para os cenários socioeconômicos mais recentes para informar o Sexto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, que será publicado ainda este ano.

 

O Dr. Edwards disse: “Usamos um conjunto maior e mais sofisticado de modelos de Clima e gelo do que nunca, combinando quase 900 simulações de 38 grupos internacionais usando técnicas estatísticas para melhorar nossa compreensão da incerteza sobre o futuro.”

 

A pesquisa previu que se o aquecimento global for limitado a 1,5 ° C, as perdas da camada de gelo da Groenlândia reduziriam em 70% e as perdas nas geleiras pela metade, em comparação com as atuais promessas de emissões. 

 

 

Previsões para a Antártica são mais difíceis

 

Para a Antártica, as previsões são as mesmas para diferentes cenários de emissões, porque atualmente não está claro se a neve caindo no interior frio do manto de gelo compensará o derretimento nas costas. No entanto, sob um enredo pessimista, com muito mais derretimento do que neve, as perdas de gelo da Antártica podem ser cinco vezes maiores.

 

“A Antártica é o curinga da elevação do nível do mar: difícil de prever e crítica para a extremidade superior das projeções. Em uma história pessimista, onde a Antártica é muito sensível às mudanças climáticas, descobrimos que há uma chance de 5% da contribuição do gelo terrestre para o aumento do nível do mar exceder 56 cm em 2100, mesmo se limitarmos o aquecimento a 1,5 ° C. 

 

O gerenciamento de inundações costeiras deve, portanto, ser flexível o suficiente para levar em conta uma ampla gama de possíveis elevações do nível do mar, até que novas observações e modelos possam melhorar a clareza do futuro da Antártica ”, acrescentou o Dr. Edwards.

 

“O nível do mar global continuará a subir, mesmo se interrompermos todas as emissões agora, mas nossa pesquisa sugere que poderíamos limitar os danos: se as promessas fossem muito mais ambiciosas, as previsões centrais para o aumento do nível do mar devido ao derretimento do gelo seriam reduzidas de 25 cm para 13 cm em 2100, com 95% de chance de ser menor que 28 cm, em vez do limite superior atual de 40 cm. Isso significaria um aumento menos severo nas inundações costeiras ”, concluiu.

 

Veja a matéria completa aqui

 

Leia também: Cientistas mapeiam rios carregados de partículas no céu

+ mais notícias