Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Gelo marinho na Antártida tem redução recorde

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

5 min de leitura

O gelo marinho em torno da Antártida diminuiu para a menor extensão já registrada no mês de fevereiro, segundo um estudo divulgado nesta terça-feira (19/04). A conclusão sugere que o continente gelado pode ser mais suscetível às mudanças climáticas do que se imaginava.

 

No final de fevereiro, a área do oceano coberta por gelo ficou abaixo da barreira de dois milhões de quilômetros quadrados pela primeira vez, desde o início dos registros por satélite em 1978, segundo o estudo publicado no jornal científico Avanços em Ciências Atmosféricas.

 

 

Gelo marinho tem redução recorde na Antártica (Foto:NASA/Zumapress/picture alliance)

 

 

Os pesquisadores chineses da Universidade Sun Yat-sen, em Guangzhou, e do Laboratório de Ciências Marinhas, em Zhuhai, concluíram que o fator principal para a perda de gelo foi o aumento das temperaturas, além de modificações nas massas de gelo, que tiveram papel secundário.

 

O recorde negativo de 1,9 milhões de quilômetros quadrados, registrado em 25 de fevereiro deste ano, ficou 30% abaixo da média do período entre 1981 e 2010.

O maior encolhimento da cobertura de gelo marinho na Antártida registrado até então, ocorrido em 2017, estava pouco acima do patamar de dois milhões de quilômetros quadrados.

 

 

Pólos aquecem acima da média global


Nos últimos anos, a cobertura máxima de gelo marinho na Antártida teve média de 18 milhões de quilômetros quadrados. Para avaliar as causas da perda recorde de gelo deste ano, os pesquisadores examinaram a quantidade de gelo perdido e de gelo surgido recentemente, ano após ano, assim como a movimentação diária do gelo marinho.

 

No Ártico, o recorde negativo de cobertura de gelo marinho foi de 3,4 milhões de quilômetros quadrados em 2012, sendo que o segundo e o terceiro ocorreram em 2020 e 2019, respectivamente. A cobertura máxima de gelo marinho tem média de 15 milhões de quilômetros quadrados.

 

Os polos norte e sul registraram aquecimento de aproximadamente 3º C – ou seja, três vezes a média global – comparado aos níveis de temperatura do século 19.

 

A primeira onda de calor registrada na Antártida foi em 2020, com inéditos 9,2º C acima do valor máximo. Em março deste ano, um centro de pesquisas no leste do continente registrou um aumento de temperatura de 30º C acima do normal.

 

Anormalidades extremas como essas são fatores recentes. Ao contrário da cobertura de gelo marinho no Ártico, que diminuiu em 3% ao ano desde os anos 1970, na Antártida vinha ocorrendo uma expansão de 1% a cada década, levando-se em conta a ocorrência de grandes variações anuais.

 

Após o declínio incomum registrado em 2017, o fenômeno voltou a ocorrer neste ano, no final do verão no Hemisfério Sul. A cobertura de gelo durante o último verão austral – entre junho e setembro – encolheu principalmente no oeste da Antártida, região que demonstrou ser mais vulnerável ao aquecimento global do que o leste do continente, de proporções bem maiores.

 

 

"Círculo vicioso"


O derretimento do gelo marinho não gera impactos perceptíveis no aumento do nível do mar, uma vez que o gelo já se encontra nas águas do oceano. No entanto, a diminuição da cobertura de gelo é uma das principais preocupações relacionadas ao Clima, uma vez que ajuda a acelerar o aquecimento global, explica, Qinghua Yang, professora da Universidade Sun Yat-sen e coautora do estudo.

 

Quando a cobertura de gelo – que reflete a energia solar de volta ao espaço – é substituída pelo mar escuro não congelado, "há menos reflexão de calor e mais absorção", disse Qinghua. "Isso, por sua vez resulta em um maior derretimento de gelo e produz mais absorção de calor, em um círculo vicioso".

 

A neve e o gelo refletem mais de 80% da energia do sol de volta ao espaço, enquanto os oceanos absorvem a mesma porcentagem dessa energia.

Logo Deutsche Welle Deutsche Welle

+ mais notícias