Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Desmatamento global cai, mas florestas ainda estão ameaçadas

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

5 min de leitura


Estudo da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO, aponta que taxa de desmatamento caiu 30% nas últimas duas décadas; América do Sul teve principal perda, com 68 milhões de hectares a menos; expansão agrícola e pecuária são as principais causas.

 

 

Foto: Getty Imagens


A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO, publicou um relatório que mostra que a taxa em que as florestas estão desaparecendo diminuiu quase 30% desde a primeira década do século até o período de 2010-2018.

 

Mas, segundo o estudo, as florestas tropicais ainda estão sob a maior ameaça, seja pela criação de gado na América do Sul ou pela expansão de terras agrícolas, como plantações de dendezeiros na Ásia.

 

 

Resultados


O levantamento da FAO aponta que o desmatamento anual caiu cerca de 29%, passando de 11 milhões de hectares por ano entre 2000 e 2010 para 7,8 milhões de hectares por ano nos oito anos seguintes. Os dados são da Pesquisa Global de Sensoriamento Remoto de Avaliação de Recursos Florestais.

 

As perdas líquidas de área florestal caíram mais da metade durante o período avaliado pela agência da ONU, diminuindo de 6,8 milhões de hectares para 3,1 milhões de hectares anuais em quase duas décadas.

 

Analisando por região, o maior desmatamento ocorreu na América do Sul, que reduziu suas reservas florestais em 68 milhões de hectares, seguido pela África, com 49 milhões de hectares.

 

Apesar de ser o continente com a maior taxa, o desmatamento de fato diminuiu na América do Sul, como aconteceu no sul e sudeste da Ásia.

 

 

Florestas tropicais


Segundo a FAO, a perda de florestas tropicais foi responsável por mais de 90% do desmatamento global de 2000 a 2018, em 157 milhões de hectares. A área é equivalente ao tamanho da Europa Ocidental.

 

No entanto, o desmatamento anual de áreas tropical diminuiu de 10,1 milhões de hectares por ano na primeira década do século para 7 milhões de hectares por ano no período seguinte.

 

Para a vice-diretora da FAO, Maria Helena Semedo, a pesquisa é importante pelos novos números apurados e por apontar as tendências da área florestal, o que está impulsionando o desmatamento e para monitorar a evolução.

 

 

Principais causas de desmatamento


Ela adicionou que o desenvolvimento agrícola insustentável e outros usos da terra continuam a exercer forte pressão sobre as florestas, especialmente em países mais pobres.

 

Segundo Semedo, existem soluções que podem ser ampliadas para “alimentar o mundo sem destruir nossas florestas”.

 

A expansão das terras agrícolas é o principal motor do desmatamento, causando quase 50% do desmatamento global, seguido pela pecuária, responsável por 38,5%. Apenas a exploração de dendê foi responsável por 7% do desmatamento global em dezoito anos.

 

A pesquisa aponta que as regiões tropicais da América Central são as mais ameaçadas pela conversão do uso da terra: 30,3% da floresta na região úmida tropical da América Central e 25,2% da floresta tropical da América Central foram perdidas no período estudado.

 

Entenda como o consumo de carne se relaciona com o desmatamento na Amazônia

 

 

Recuperação florestal


De acordo com o estudo da FAO, o ganho de área florestal anual global apresentou um ligeiro aumento, passando de 4,2 milhões de hectares por ano na década de 2000 a 2010 para 4,7 milhões de hectares por ano no período entre 2010 e 2018.

A área de floresta plantada aumentou 46 milhões de hectares nas duas décadas estudadas.

 

Quase um quarto das florestas plantadas neste milênio substituiu as florestas em regeneração natural, com metade dessa área no sul e sudeste da Ásia.

O estudo liderado pela FAO é baseado na análise consistente de 400 mil amostras por mais de 800 especialistas locais de 126 países e territórios.

+ mais notícias